Um dos principais alvos de ataques cibernéticos, Brasil falha na contratação de Seguro Cyber

Um dos principais alvos de ataques cibernéticos, Brasil falha na contratação de Seguro Cyber

Na mesma velocidade em que a tecnologia evolui, os crimes cibernéticos também crescem. Só os ataques ransomware em 2019 custaram aos Estados Unidos cerca de US$ 7,5 bilhões. No Brasil, os números também impressionam. De acordo com o AV-Test – The Independent IT Security Institute, em 2020, foram 137,75 milhões de novas amostras de malware. No mesmo ano, 50% dos computadores de escritório e 53% dos computadores domésticos não só foram infectados, como reinfectados por vírus, segundo dados da Webroot Threat Report. Atualmente, o Brasil é um dos países que mais sofre com ataques de segurança digital no mundo e, segundo levantamento da Ponemon, os prejuízos às organizações afetadas são na ordem de R$ 3,96 milhões.

De acordo com Rogério Brito Reis, diretor de Negócios da Harmonia Corretora de Seguros, com especialização no tema pela Cyber Insurance Academy, “se pensarmos que o lucro global obtido por crimes cibernéticos é estimado em trilhões de dólares por ano e este lucro é maior do que o faturamento de muitas empresas em conjunto e até mesmo do que o comércio mundial de drogas ilegais, a tendência é aumentar significativamente”, afirma. “Há especialistas que dizem que, provavelmente, haverá uma pandemia causada por um vírus de computador”.

A questão central é a falta de investimento em cyber security, incluindo a contratação de uma apólice de Seguro Cyber. “Salvo algumas multinacionais, que aderiram ao Seguro Cyber por meio de seus programas globais, e poucos empresários preocupados com a mitigação de seus riscos, o mercado brasileiro ainda não aderiu à proteção contra ataques cibernéticos como deveria. Apesar das consultas por este produto terem aumentado recentemente, já que mais pessoas estão trabalhando em casa – o que aumenta os riscos -, ainda temos um número muito baixo de contratação de apólices”, explica o especialista.

A cada período, surgem novas modalidades, que vão do ransomware (sequestro de dados) e trojans (vírus tipo cavalo de troia) ao phishing (em que os hackers “pescam” dados dos usuários, lançando uma “isca”), smishing (mensagem de texto SMS ou WhatsApp) e cryptojacking (mineração de criptomoedas). A tendência é que os riscos e os ataques sigam aumentando e com prejuízos cada vez mais relevantes para as organizações.

Quanto mais informação gerenciada por uma empresa (dados corporativos e pessoais), como por exemplo cartões de crédito, identidade, passaporte, relação de clientes, prontuários médicos, entre outros, maior o risco de sofrer cyber attacks, bem como maiores prejuízos serão causados, segundo Reis. “Sua empresa depende da tecnologia para gerenciar o seu negócio e informações? Então, ela está vulnerável”, afirma. “Há quem pergunte: ‘será que minha empresa sofrerá um ataque cibernético?”, e eu penso que a pergunta devia mudar para “quando sofrerei um ataque cibernético e estarei preparado para responder ao mesmo e ter continuidade do negócio?’”.

E o que fazer para proteger a empresa desse tipo de ataque?
Vale ressaltar que, para garantir a proteção das informações, há várias ações a serem tomadas pelas empresas, em especial, investir em antivírus e firewalls, fazer backups frequentes, estabelecer políticas de segurança de informação, realizar treinamentos e, não menos importante, contratar uma apólice de Seguro Cyber. Esse serviço, oferecido por conceituadas seguradoras e intermediado pelo time da Harmonia, oferece amplas coberturas, como:

  • Cobertura dos custos de defesa e danos causados a terceiros decorrentes de uma violação de segurança de dados por ataque cibernético.
  • Garantia para os custos com a investigação e mitigação de danos decorrentes de violação de privacidade.
  • Garantia do pagamento de extorsão e despesas na investigação administrativa, além de custos de defesa e de restituição de imagem.
  • Lucros Cessantes.
  • Outros.

“A atualização tecnológica é muito dinâmica e evolui a passos largos. Até o final desse texto, os dados apresentados podem não ser mais os mesmos, por isso é fundamental que as empresas estejam protegidas”, finaliza o especialista.

social position